Editorias / Economia e Política
HOME | Notícias | Jeffrey Sachs questiona o sistema de crédito de carbono

Economia e Política

10 de Junho de 2009

 

Jeffrey Sachs questiona o sistema de crédito de carbono

sachscapa.jpg
O economista Jeffrey Sachs defende a criação de novas tecnologias e energias limpas como forma de reduzir os problemas mundiais/Foto: European Parliament

Debates sobre novas políticas capazes de reduzir as emissões de carbono enquanto ajudam a alavancar a economia em crise já resultaram em diversas possíveis soluções. Duas das mais destacadas são o crédito e as taxas de carbono. Apesar do seu sucesso, alguns especialistas se mostram contrários ao projeto. Para o economista Jeffrey Sachs, pensar em alternativas ao uso do carvão e em energia nuclear é mais importante que a atual ênfase dada aos créditos de CO2.

Para Sachs, conhecido pelo seu trabalho como conselheiro econômico de diversos governos da América Latina, do Leste Europeu, da extinta União Soviética, da Ásia e da África, diretor da Universidade de Columbia e autor do livro O Fim da Pobreza, o debate em torno do crédito de carbono e da criação de taxas para as emissões está distraindo a atenção de outras possíveis soluções, como os esforços por novas tecnologias e políticas públicas voltadas para a área.

“O que eu quero são mais planos que nos digam quantitativamente o que precisamos fazer para alcançarmos nossos objetivos”, disse em entrevista ao site TreeHugger. Na opinião do economista, para resolvermos os problemas atuais é preciso muito mais que dar um preço para o carbono.

“Se tentarmos restringir as emissões sem um conjunto de tecnologias fundamentalmente novas acabaremos sufocando o crescimento econômico, incluindo as perspectivas de desenvolvimento de bilhões de pessoas”, completa.

Ele diz ainda que não é contra as políticas de troca e de taxas de carbono, apenas acredita que elas não garantem que atingiremos nossas metas, nem são capazes de impulsionar novas tecnologias. Ele argumenta que o mais importante é planejar e agir.

“Economistas falam muitas vezes como se o estabelecimento de um preço para as emissões de carbono – via permissões negociáveis ou um imposto sobre o carbono – fosse suficiente para cumprir as reduções necessárias dessas emissões. Isso não é verdade. Um sistema de créditos pode influenciar marginalmente as escolhas entre usinas de carvão e gás ou provocar um pouco mais de adoção de energia solar ou eólica, mas não levará a uma revisão necessária e fundamental dos sistemas de energia” afirmou em um artigo publicado na Scientific American Brasil.

Para Sachs, a resposta deve estar na mistura de novas tecnologias que aumentem a eficiência e produzam energia de forma totalmente limpa. “Isso não é uma utopia, mas uma realidade em termos de contabilização de carbono”, diz.

Outros especialistas concordam com o posicionamento de Sachs. Um artigo publicado no Yale Environment 360 e escrito por Ted Nordhaus e Michael Shellenberger, revela que investir em pesquisas e desenvolvimento de novas tecnologias é mais eficiente que os sistemas de crédito de carbono.

Com informações do TreeHugger.


Leia também:

 

Faça sua doação!

Estamos precisando muito da sua ajuda e qualquer valor doado é de grande importância.

Você pode impedir que este trabalho importante de conscientização acabe, fazendo sua doação. Todos os recursos obtidos serão utilizados para a manutenção de nossas atividades. Vale lembrar que todo conteúdo é 100% gratuito e acessível a qualquer cidadão.

Clique aqui e saiba como fazer a sua doação!

Comentários

Deixe sua opinião sobre este assunto.

Dicas
Veja Mais Dicas
Guias
Veja Mais Guias
 
Shopping EcoD
Abrasivo Digital