Editorias / Universidades
HOME | Notícias | Universidade produz células solares em forma de tinta

Universidades

25 de Agosto de 2009

 

Universidade produz células solares em forma de tinta

tinta-capa.jpg
A  "tinta" poderá ser aplicada em superfícies de plástico ou aço inoxidável/Fotos: Divulgação

Células solares “impressas” em folhas de papel ou “pintadas” em paredes, janelas e telhados. A ideia pareceu surreal? Desenvolvida na Universidade do Texas, a nanopartícula solar em formato de tinta poderá ser utilizada em qualquer superfície, captando a energia do sol e transformando-a em eletricidade.

Segundo Brian Korgel, engenheiro químico e um dos pesquisadores responsáveis pelo projeto, a nova célula poderá ser fabricada utilizando apenas um décimo dos custos necessários para produzir uma placa solar tradicional.

"Isso é essencialmente o que é necessário para tornar a tecnologia da célula solar fotovoltaica amplamente adotada", disse Korgel. "O sol fornece um recurso de energia quase ilimitado, mas as atuais tecnologias de aproveitamento solar são caras e não podem competir com os combustíveis fósseis."

tinta-2.jpg
A célular solar líquida pode ser produzida com 1/10 do valor utilizado para produzir as tradicionais

Nos últimos dois anos, Korgel e sua equipe têm trabalhado na fabricação dos nanomateriais para a energia fotovoltaica - ou célula solar. Os estudos estão sendo desenvolvidos no Departamento de Química e Bioquímica da Universidade, em parceria com o Departamento de Engenharia Electrotécnica e Informática. O estudo também foi apresentado recentemente em uma edição da conceituada revista Journal of American Chemical Society.

A tinta solar

As tintas podem ser utilizadas em uma impressora rolo a rolo e em uma superfície de plástico ou aço inoxidável. "Você teria que pintar algumas camadas da tinta no material absorvente", informou Korgel. Ele conta que o processo utiliza nanomateriais para a absorção da luz solar 10 mil vezes mais finos que um fio de cabelo. Graças às propriedades físicas do seu tamanho microscópico, é possível obter uma maior eficiência dos dispositivos, afirma.

Em 2002, ele co-fundou uma companhia chamada Innovating, baseada na Califórnia, que produz tintas usando o silício como base. Desta vez, Korgel e sua equipe estão usando seleneto de cobre, índio e gálio (CIGS), que são mais baratos e mais benignos em termos de impacto ambiental.

tinta-3.jpg
O engenheiro Brian Korgel testa sua invenção - "você poderá vê-lo sendo usado dentro de três a cinco anos"

"CIGS tem algumas vantagens sobre o silício", disse Korgel. "Esse é um semicondutor de gap de banda direto, o que significa que você precisa de muito menos material para fazer uma célula solar, e essa é uma das maiores vantagens em potencial do produto".

Sua equipe desenvolveu protótipos de células solares com uma eficiência de 1%, no entanto, eles visam chegar a 10%. "Se chegarmos a 10 % haverá um verdadeiro potencial de comercialização", disse Korgel. "Se funcionar, acho que você poderá vê-lo sendo usado dentro de três a cinco anos", afirmou o engenheiro que também informou que já há interesses de possíveis parceiros comerciais.
 

Faça sua doação!

Estamos precisando muito da sua ajuda e qualquer valor doado é de grande importância.

Você pode impedir que este trabalho importante de conscientização acabe, fazendo sua doação. Todos os recursos obtidos serão utilizados para a manutenção de nossas atividades. Vale lembrar que todo conteúdo é 100% gratuito e acessível a qualquer cidadão.

Clique aqui e saiba como fazer a sua doação!

Comentários

Deixe sua opinião sobre este assunto.

Dicas
Veja Mais Dicas
Guias Veja Mais Guias
 
Shopping EcoD
Abrasivo Digital