Editorias / Ciência e Tecnologia
HOME | Posts | 2011 | Fevereiro | País precisa de mais equipamentos para prevenção de desastres naturais

Ciência e Tecnologia

03 de Fevereiro de 2011

Leia Também
 

País precisa de mais equipamentos para prevenção de desastres naturais

 sat�ite mostra �ea de deslizamento na regi� serrana do rj
Imagem de deslizamentos na região serrana feita pelo satélite americano GeoEye, processada pelo Inpe/Divulgação

A criação do Sistema Nacional de Alerta e Prevenção de Desastres Naturais, anunciado pelo governo federal após as enchentes na região serrana do Rio de Janeiro, deverá exigir a compra de mais dez radares meteorológicos e mil pluviômetros automáticos para usar na previsão e monitoramento de chuvas. A estimativa é do cientista Carlos Nobre, que tomou posse na quarta-feira, 2 de fevereiro, na Secretaria de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT).

O país tem, atualmente, cerca de 20 radares meteorológicos e 800 pluviômetros automáticos. Os radares captam dados sobre o movimento de circulação da massa de ar e de gotículas de água. Os dados são processados em supercomputadores para prever a localização e intensidade das chuvas. Já o pluviômetro mede o volume da chuva que caiu. O monitoramento desse dado pode informar se o solo de uma região, como o das encostas de morros, recebeu muita água e pode ter risco de deslizamento.

Nobre quer que as comunidades “saibam ler” os pluviômetros que serão instalados e possam avaliar o risco de enchentes e encharcamento de solos. No dia 11 de janeiro, véspera das chuvas que resultaram nos deslizamentos nas cidades de Nova Friburgo, Teresópolis, Petrópolis, Sumidouro, São José do Vale do Rio Preto, Bom Jardim e Areal, os pluviômetros da região serrana do Rio já registravam um volume excepcional de chuva, um indicativo de que havia informação sobre a possibilidade do solo estar encharcado, o que causou os deslizamentos, inclusive em áreas florestadas.

 o ministro da ci�cia e tecnologia, aloizio mercadante, e o secret�io de pol�icas e programas de pesquisa e desenvolvimento (seped), carlos afonso nobre, mostram fotos da regi� serrana do rio de janeiro antes e depois dos deslizamentos de terra provocados pela chuva
O ministro da Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante, e o secretário de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento (Seped), Carlos Afonso Nobre, mostram fotos da região serrana do Rio de Janeiro antes e depois dos deslizamentos de terra provocados pela chuva/Foto: Elza Fiúza/ABr

Além de equipamentos para a previsão e monitoramento da chuva, Nobre lembrou que é preciso usar sensores no solo e fazer estudos geológicos para conhecer as condições de várias áreas de risco, especialmente nas regiões Sudeste, Sul e Nordeste. O secretário não estabeleceu quantas cidades deverão fazer estudos geológicos e instalar equipamentos. Segundo o ministro de Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante, o Brasil tem apenas 100 geólogos especializados nesse tipo de trabalho.

Nos últimos 20 anos, 216 cidades registram anualmente pelo menos cinco mortes por causa da chuva e mais de 500 tiveram perdas materiais.

Após a posse de Nobre e mais quatros secretários do MCT, Mercadante mostrou as imagens impressas do satélite americano GeoEye, processadas pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) após o desastre na região serrana do Rio. Um lote de 50 fotos (feitas em 20 de janeiro) com “as cicatrizes do deslizamento” foi entregue à Defesa Civil. As imagens estão disponíveis para download no site do Inpe.

A compra de equipamentos para monitoramento das chuvas e a implementação do Sistema Nacional de Alerta e Prevenção de Desastres Naturais envolve o MCT, o Ministério da Integração Nacional, o Ministério da Defesa, o Ministério da Agricultura, o Ministério do Planejamento, o Gabinete de Segurança Institucional e a Casa Civil.

Ainda não há orçamento estabelecido para esses gastos. A Lei Orçamentária de 2011, aprovada pelo Congresso Nacional, ainda não foi sancionada e a expectativa é que haja cortes e remanejamento no Orçamento. A presidenta Dilma Rousseff já assinou medidas provisórias para crédito extraordinário de R$ 780 milhões para obras civis e de rodovia e para concessão de financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), para capital de giro e investimento de empresas e microempreendedores individuais localizados nos municípios do Rio atingidos pela chuva.

Faça sua doação!

Estamos precisando muito da sua ajuda e qualquer valor doado é de grande importância.

Você pode impedir que este trabalho importante de conscientização acabe, fazendo sua doação. Todos os recursos obtidos serão utilizados para a manutenção de nossas atividades. Vale lembrar que todo conteúdo é 100% gratuito e acessível a qualquer cidadão.

Clique aqui e saiba como fazer a sua doação!

Comentários

Deixe sua opinião sobre este assunto.

Dicas
Veja Mais Dicas
Guias
Veja Mais Guias
 
Shopping EcoD
Abrasivo Digital