Editorias / Economia e Política
HOME | Posts | 2012 | Agosto | Indústria de ferro-gusa se compromete a usar carvão oriundo de madeira legal

Economia e Política

03 de Agosto de 2012

Leia Também
 

Indústria de ferro-gusa se compromete a usar carvão oriundo de madeira legal

 gusa-t.jpg
Polo industrial de ferro-gusa, no munícipio de Açailândia (MA). 
Foto: Ismar Ingbe/Greenpeace

As indústrias representadas pelo Sindicato das Indústrias de Ferro-Gusa do Maranhão (Sifema) vão ter dois anos para adotar um sistema de monitoramento que garanta que seus fornecedores deixem de produzir carvão com madeira originária de florestas nativas ou que provoque desmate para plantio de eucaliptos. A entidade assinou na quarta-feira, 2 de agosto, um compromisso público com a ONG ambientalista Greenpeace. A assinatura do acordo contou com a presença do vice-governador do Estado, Washington Luiz de Oliveira.

O acordo é feito mais de dois meses depois de o Greenpeace ter realizado um bloqueio a um navio que seria carregado com ferro gusa (que é usado como matéria-prima do aço) no porto de Itaqui, em São Luís. O protesto foi usado para chamar atenção para a origem do carvão usado nas indústrias e durou 11 dias.

Paralelamente ao bloqueio, o Greenpeace divulgou resultados de uma investigação que apontava que carvoarias do Estado produziam carvão com madeira extraída ilegalmente e depois vendiam o produto para as indústrias de ferro gusa no Maranhão, que não verificavam sua origem.

greenpeace.jpg
Maria Aparecida Brasil Maia tinha quatro fornos de carvão em situação irregular, no município de Tucuruí, Pará, e teve os fornos destruídos pelo Ibama, durante a operação Saldo Negro. Ela contratava pessoas para encherem e esvaziarem os fornos e costuma pagar R$ 170,00 por lote de madeira para encher um forno.
Foto: ©Greenpeace/Marizilda Cruppe/EVE

"O compromisso que a indústria de gusa está assumindo aqui não é com o Greenpeace, mas com a sociedade e com seus consumidores. Setores que operam na Amazônia começaram a perceber que o consumidor não tolera mais produtos que causam a destruição da floresta", destacou Paulo Adario, diretor da campanha Amazônia do Greenpeace.

As siderúrgicas também se comprometeram a quebrar contratos com carvoarias que exploram mão de obra em situação análoga à escravidão ou que fazem uso de madeira oriunda de áreas protegidas.

Boa parte da produção de carvão é artesanal, onde o trabalho costuma ser executado em condições sub-humanas. Um dos principais consumidores do ferro gusa é a indústria automobilística.

greenpeace02.jpg 
De acordo com investigação do Greenpeace, as carvoarias da região produzem ferro gusa a partir de irregularidades como desmatamento ilegal, trabalho escravo e invasão de territórios indígenas.
Foto: Foto ©Greenpeace/Ismar Ingber/Tyba

Faça sua doação!

Estamos precisando muito da sua ajuda e qualquer valor doado é de grande importância.

Você pode impedir que este trabalho importante de conscientização acabe, fazendo sua doação. Todos os recursos obtidos serão utilizados para a manutenção de nossas atividades. Vale lembrar que todo conteúdo é 100% gratuito e acessível a qualquer cidadão.

Clique aqui e saiba como fazer a sua doação!

Comentários

Deixe sua opinião sobre este assunto.

Dicas
Veja Mais Dicas
Guias
Veja Mais Guias
 
Shopping EcoD
Abrasivo Digital