Editorias / Responsabilidade Social
HOME | Posts | 2012 | Maio | Capacitação da mão de obra nos estádios da Copa do Mundo 2014

Responsabilidade Social

02 de Maio de 2012

Leia Também
 

Capacitação da mão de obra nos estádios da Copa do Mundo 2014

fontenova.jpg
A Arena Fonte Nova conta com 28 ex-detentos na execução da sobras/Foto: Gov/Ba

O cenário da construção civil no Brasil pode parecer previsível. Canteiro de obra, máquinas, concreto, ferramentas e muito esforço. A dois anos da Copa do Mundo 2014, os estádios-sede do evento vivem essa realidade. Porém, uma prática ganha destaque por seu valor social. Parte significativa da mão de obra nos canteiros é formada por funcionários locais, ex-detentos e detentos em regime semi-aberto. 

A adesão de práticas de responsabilidade social garante bons resultados, como já se começa a ser percebido no Brasil, por meio da valorização da cidadania, respeito ao meio ambiente, inclusão da comunidade do entorno, geração de trabalho e renda, e qualificação da mão de obra. No entanto, a única orientação da Fifa para a execução das obras, na área social, é a inclusão da comunidade local durante todo o processo.

arenapantanal.jpg
Além dos detentos, a Arena Pantanal conta com ex-trabalhadores escravos/ Foto: divulgação

Todas as sedes da Copa contam com programas de inclusão social, a exemplo da Arena Amazônia, cujo quadro de funcionários é composto em 96% pela comunidade local. Ao menos sete estádios-sede (Brasília, Cuiabá, Belo Horizonte, Fortaleza, São Paulo, Salvador e Natal) foram além da exigência da Fifa e empregam colaboradores de um grupo, geralmente, excluído: detentos em regime semi-aberto ou ex-detentos nos canteiros de obras.

A inserção faz parte de um Termo de Cooperação Técnica com o Conselho Nacional de Justiça, que prevê 5% dos postos de trabalho para detentos, ex-detentos, cumpridores de penas alternativas e adolescentes em conflito com a lei. A cada três dias trabalhados, os detentos diminuem um dia na pena e ainda recebem uma bolsa de um salário mínimo. 

Alforria

Aos 44 anos e com quatro filhos, Nilvaldo Inácio da Silva teve uma chance de recomeçar a vida. Após trabalhar como cortador de cana e viver de alguns bicos, ele recebeu uma proposta para trabalhar com colheita de algodão. Ao chegar, descobriu que ganharia R$ 8,00 por cada 3.600m colhidos, além de morar em um alojamento sem camas, água potável e comida.

Após uma semana de trabalho, Nivaldo conta que foi exigir melhorias do trabalho com o dono da fazenda: “Foi aí que ele nos deixou na cidade com R$ 200,00 no bolso para voltarmos para casa. A única coisa que passava em minha cabeça naquele momento era que estava voltando para casa da mesma forma que saí. Precisava muito de um emprego porque minha esposa e meus filhos precisavam de mim”, lembra.

nivaldo.jpg
Nivaldo aprendeu a ler e escrever o seu nome, seu sonho. Foto: Tiago Falqueiro/ Portal da Copa

Mas a oportunidade de recomeçar bateu na porta de Nivaldo antes do que ele esperava. Ao saber da seleção de emprego para o consórcio da Arena Pantanal, ele se inscreveu e foi selecionado. “Aqui temos comida boa para comer, alojamento para dormir e emprego decente com todos os nossos direitos garantidos. Como se isso não bastasse, ainda tive a oportunidade de realizar meu grande sonho: ler e escrever”, conta. Nivaldo hoje faz parte do programa de educação básica e de formação técnica dos egressos do trabalho escravo, da Arena Pantanal, em Mato Grosso.

Segundo a Organização Internacional do Trabalho, o trabalho análogo à escravidão é aquele exigido de uma pessoa sob ameaça de sanções e para o qual ela não se oferece espontaneamente. Além de estar relacionado a baixos salários e más condições de alojamento, inclui cerceamento da liberdade. Entre 1995 e 2010, 40 mil pessoas foram resgatadas dessa condição. A maior incidência está na pecuária e no setor sucroalcooleiro.

arenapantanal2.jpg
Os trabalhadores frequentam a sala de aula na Arena Pantanal tendo, inclusive, aulas de educação ambiental/Foto: divulgação

O programa de inclusão de trabalhadores oriundos do trabalho escravo faz parte de uma parceria que o Consórcio Santa Bárbara - Mendes Júnior, responsável pela Arena Pantanal, firmou com a Superintendência Regional de Trabalho e Emprego do Mato Grosso e Ministério Público do Trabalho. O consórcio foi o primeiro grupo privado a se comprometer em acolher os egressos em seu quadro de funcionários. Ao todo, 24 funcionários já foram acolhidos, alfabetizados e capacitados no canteiro.

Após a adaptação ao canteiro de obras, os colaboradores participaram do Programa de Educação Básica e do Programa de Formação Técnica, com duração de oito meses. Os cursos e o alojamento são no próprio canteiro, onde os trabalhadores têm três refeições diárias

“Os desafios foram enormes, porque foi necessário conscientizar da importância da educação para pessoas que sobreviveram em condições degradantes. Entretanto, a iniciativa é de grande valia para o Consórcio Santa Bárbara – Mendes Júnior, porque além de ser pioneira, trouxe resultados diretos e imediatos para todos os envolvidos no processo. Investir na qualificação da mão de obra é fazer com que todos cresçam e o projeto tenha ainda mais sucesso”, conta Simone Ponce, coordenadora de comunicação, responsabilidade social e RH do Consórcio Santa Bárbara – Mendes Júnior.

Certificação

A adesão das práticas de responsabilidade sócio-empresarial já tem rendido frutos aos consórcios. No início de março, a obra do Estádio Nacional Mané Garrincha, em Brasília, conquistou a certificação de responsabilidade social internacional SA 8000 (Social AccountAbility 8000), que avalia as condições de trabalho nos empreendimentos.

estadionacional.jpg
O Estádio Nacional de Brasília foi pioneiro a receber o selo SA 8000 nos estádios e agora procura o LEED Plantinum/Foto: Brasília 2014

O certificado só é concedido àquelas organizações que cumprem totalmente os requisitos que envolvem os seguintes aspectos: proibição do trabalho infantil e do trabalho forçado, segurança e saúde no trabalho, liberdade de associação e direitos coletivos, proibição de discriminação (sexual, raça, política, nacionalidade etc), remuneração e carga horária de trabalho adequadas, entre outros.

Além da certificação, os resultados também podem ser conferidos na prática: atualmente, a obra do Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha é uma das mais adiantadas do Brasil, com 56% de sua execução concluída.

Faça sua doação!

Estamos precisando muito da sua ajuda e qualquer valor doado é de grande importância.

Você pode impedir que este trabalho importante de conscientização acabe, fazendo sua doação. Todos os recursos obtidos serão utilizados para a manutenção de nossas atividades. Vale lembrar que todo conteúdo é 100% gratuito e acessível a qualquer cidadão.

Clique aqui e saiba como fazer a sua doação!

Comentários

Deixe sua opinião sobre este assunto.

Dicas
Veja Mais Dicas
Guias
Veja Mais Guias
 
Shopping EcoD
Abrasivo Digital