Editorias / Energia
HOME | Posts | 2012 | Outubro | EcoD Básico: Eficiência Energética

Energia

10 de Outubro de 2012

Leia Também
 

EcoD Básico: Eficiência Energética

eficiencia-1.jpg
Foto: Argonne National Laboratory

Em termos gerais, a eficiência energética é a maior capacidade de um equipamento transformar a energia elétrica requerida para seu funcionamento em um produto final. Assim, uma lâmpada, que transforma a eletricidade em luz e calor, será mais eficiente na medida em que produzir mais luminosidade com a energia que consome.

Uma lâmpada incandescente comum, por exemplo, tem uma eficiência de 8% (ou seja, somente 8% da energia elétrica usada é transformada em luz e o restante aquece o ambiente). Já a eficiência de uma lâmpada fluorescente compacta, que produz a mesma iluminação, é de 32%, conforme dados do Instituto Nacional de Eficiência Energética (INEE).

Além dos processos industriais de otimização energética dos produtos, a eficiência energética pode ser obtida por meio da eliminação do desperdício e da adesão ao consumo racional de energia. Em uma residência, por exemplo, pode-se aumentar a eficiência energética ao se adquirir aparelhos com selos que comprovem a eficiência e ao se adotar medidas simples, como garantir uma vedação completa da geladeira ou pintar a casa com cores claras (encontre mais dicas clicando aqui).

Importância

Em uma época na qual o aquecimento global e as mudanças climáticas representam uma ameaça, a melhoria da eficiência energética é a solução mais econômica, eficaz e rápida para minimizar os impactos ambientais oriundos do consumo de energia e reduzir as emissões de dióxido de carbono na atmosfera.

A melhoria da eficiência energética traz uma série de benefícios não somente ambientais, mas também econômicos e tecnológicos. Conheça-os:

  • Poupa recursos naturais;
  • Diminui custos de produção;
  • Possibilita a produção de bens cada vez mais baratos e competitivos;
  • Reduz o consumo de energia e, consequentemente, a conta;
  • Reduz a necessidade de se investir em infraestrutura e energia, pois é mais barato conservar do que gerar energia;
  • Garante mais recursos para serem destinados a outros fins.

Cenário

Há um grande potencial de eficiência energética a ser explorado em todo o mundo, conforme revelou o relatório do Conselho Americano para uma Economia de Eficácia Energética (ACEEE), de julho de 2012. No Brasil, somente no setor industrial, a conservação da energia tem o potencial de redução desperdiçado de 55 Gigawhatts, segundo a publicação “Opções Tecnológicas em Energia”.

Em entrevista ao portal EcoD, o organizador da Coleção "Diretrizes da Economia Verde", Walfredo Schindler, chegou a ressaltar que somente com a modernização das antigas centrais hidrelétricas a geração de energia extra equivaleria a quase uma Belo Monte.

Os prédios construídos segundo padrões de eficiência energética custam, em média, de 5% a 7% a mais que os tradicionais. Contudo, segundo dados do Procel/Eletrobrás, a economia gerada pode ser de até 40%, "pagando" o investimento em apenas três anos.

Existem políticas públicas direcionadas ao uso racional da energia, como o Procel (Programa Nacional de Conservação de energia Elétrica) e a Lei de Eficiência Energética (número 10.295/01), mas o panorama brasileiro da eficiência energética ainda deixa a desejar.

No ranking da ACEEE, o Brasil ocupou o último lugar, de 12 países avaliados, quando o assunto são as políticas governamentais (fiscalização, pesquisa e gastos públicos) para o setor. O autor de Opções, Luiz Augusto Nogueira, destacou que o tema tem pouca prioridade na agenda governamental brasileira e não têm sido realizadas ações significativas para formar uma cultura de uso racional de energia pela população.

Algumas medidas, entretanto, já geram resultados concretos. É o caso do selo Procel, que classifica os eletrodomésticos conforme a eficiência energética em uma escala de A à E. O selo passa por revisões periódicas, implicando em uma constante busca da indústria por fabricar aparelhos mais eficientes. A partir de 2013, os produtos da atual Classe E terão a comercialização proibida.

A utilização de aparelhos mais eficientes acarreta uma economia na conta de luz que pode ultrapassar R$ 600 por ano, se for considerada a quantidade de aparelhos em uma casa. Só com o ar-condicionado, a diferença chega a ser de R$ 120.

O Procel foi criado em 1984, no intuito de promover a fabricação de produtos mais econômicos e de menor impacto ambiental. Desde então, somente os refrigeradores e condicionadores de ar mais eficientes já proporcionaram uma economia de pelo menos R$ 2,4 bilhões nas contas de energia da população, segundo cálculo do Inmetro.

 

Faça sua doação!

Estamos precisando muito da sua ajuda e qualquer valor doado é de grande importância.

Você pode impedir que este trabalho importante de conscientização acabe, fazendo sua doação. Todos os recursos obtidos serão utilizados para a manutenção de nossas atividades. Vale lembrar que todo conteúdo é 100% gratuito e acessível a qualquer cidadão.

Clique aqui e saiba como fazer a sua doação!

Comentários

Deixe sua opinião sobre este assunto.

Dicas
Veja Mais Dicas
Guias
Veja Mais Guias
 
Shopping EcoD
Abrasivo Digital