Editorias / Consumo Consciente
HOME | Posts | 2013 | Junho | Hábitos que dão fim ao desperdício de alimentos em casa

Consumo Consciente

05 de Junho de 2013

Leia Também
 

Hábitos que dão fim ao desperdício de alimentos em casa


ESPECIAL MEIO AMBIENTE 2013
Do campo à cidade: Soluções para o desperdício de alimentos


561074-496858473677300-62021559-n.jpg
Muitas partes de alimentos deixam de ser aproveitadas, a exemplo das cascas e dos talos
Foto: Favela Orgânica

Por Lise Lobo

As mesas de nossos lares significam o fim de percurso dos alimentos? Engana-se quem pensa assim. Ao chegar às nossas casas, 20% dos alimentos adquiridos semanalmente pelos consumidores brasileiros vão parar no lixo, segundo dados o caderno temático "A nutrição e o consumo consciente" do Instituto Akatu.

Mas não estamos só falando daquela comida que sobra no prato. O desperdício está nas compras excessivas, fruto de falhas no planejamento doméstico, do armazenamento incorreto e de partes de alimentos que deixam de ser aproveitadas, pois acabam vistas como sem utilidade, a exemplo das cascas e dos talos.

226491-586047654758381-1684304526-n.jpg
Na casa de Marcos a lixeira não vê sinal de cascas e muito menos de sobras ou alimentos estragados

O desperdício pode ser combatido individualmente. Grandes mudanças começam com práticas simples, como naquele ditado que diz: "O exemplo vem de casa". É o que faz o estudante baiano Marcos Aurélio, de 24 anos, que a partir de 2010 decidiu zerar seu desperdício. "Não precisei fazer grandes transformações, mas mesmo se precisasse não pensaria duas vezes", garante.

Em sua casa, onde mora sozinho, a lixeira não vê nem sinal de cascas e muito menos de sobras ou alimentos estragados. Entre as mudanças de hábito, ele revela que passou a frequentar o mercado toda a semana e sempre com uma lista. "Além de comprar apenas o que vou usar no cardápio da semana, eu observei que o valor gasto no mercado diminuiu, já que evito compras desnecessárias, sem falar do ganho tempo, pois já sei exatamente o que comprar".

Não gosto da palavra ‘reaproveitar’ porque na verdade estamos aproveitando alimentos. Cascas e talos, frutas amassadas, sobras do almoço, todos são alimentos"
Regina Tchelly, criadora do Favela Orgânica

As frutas e verduras que serão consumidas são bem lavadas por Marcos, no intuito de tornar possível o consumo total dos alimentos. Ele lembra ainda que não abre mão de consumir apenas orgânicos.

A decisão do estudante de mudar os hábitos contou com ajuda do movimento Slow Food, que conheceu por meio da internet. "Quando decidi que queria evitar o desperdício, comecei a pesquisar maneiras de tornar isso possível. Vi nos princípios do Slow Food o incentivo que precisava para levar minha decisão adiante", explica.

Alimentação consciente

Segundo a gastrônoma Vera Lucia de Almeida Silva, que vem difundindo em São Paulo, junto com um grupo de pessoas, o movimento internacional criado pelo cozinheiro italiano Carlo Petrini, em 1986, o Slow Food prega uma alimentação consciente, aliada ao prazer de comer bem e à responsabilidade pela preservação. Falar dele é falar em ecogastronomia, conceito pelo qual o alimento deve ser bom, limpo e justo.

vera-e-ernani.jpg
                         Vera Lucia e Ernani Gouvea, amigos e idealizadores da ecogastronomia
Foto: arquivo pessoal

"Quando adquirimos um produto nessas condições, podemos aproveitá-lo integralmente e criar receitas deliciosas como, por exemplo, torta de folha e talos de brócolis, bolos com casca de banana, doce de casca de melancia e muito mais", exemplificou Vera. 

Na concepção dela, a adoção dos valores do movimento já é o primeiro passo para alcançar a verdadeira solução do desperdício de alimentos em casa, o que começa com a educação.

aula-de-plantio-de-temperos.jpg
Ernani Gouvea em oficina de plantio de temperos
Foto: arquivo pessoal

"A importância de uma alimentação consciente deve fazer parte da primeira infância, em casa e na escola. Nós, adultos, precisamos fazer escolhas melhores, pois somos coprodutores", defende Vera, que complementa: "O movimento Slow Food vem para contribuir com a melhoria na qualidade de vida das pessoas por meio de uma filosofia que busca desacelerar esse ritmo alucinante e fazer pensar o que realmente é importante para nossas vidas".

A paulistana de 54 anos foi bancária por quase três décadas e, ao se aposentar, decidiu fazer faculdade de tecnologia da gastronomia. Atualmente é professora de ecogastronomia e atua com palestras em organizações não governamentais e escolas, além de ministrar, junto ao amigo Ernani Gouvea, oficinas de plantio e aproveitamento integral dos alimentos.

torta-de-folhas-de-brocolis-e-ao-fundo-vinagrete.jpg

Ela explica que todo trabalho está voltado ao objetivo de orientar as pessoas a evitar desperdícios, aproveitar o máximo dos ingredientes e gerar menos resíduos ao meio ambiente.

Favela orgânica

Outra alternativa para se evitar o desperdício, por meio do reaproveitamento de alimentos, é o Favela Orgânica. Nesse quesito, Regina Tchelly, idealizadora do projeto, é mestra no assunto. Mas a paraibana prefere chamar seu trabalho de 'aproveitamento'. "Não gosto da palavra 'reaproveitar' porque na verdade estamos aproveitando alimentos. Cascas e talos, frutas amassadas, sobras do almoço, todos são alimentos".

382033-535166119846535-657199150-n-1.jpg
Regina Tchelly criadora do projeto Favela Orgânica
Fotos: Favela Orgânica

A paraibana conta ainda que aprendeu com seus pais as soluções para evitar o desperdício em casa. "Eles aproveitavam o alimento integralmente. Usavam os legumes com as cascas e o que não comiam ia parar na horta ou servia de comida para os animais", conta.

A educação alimentar que teve no lar, Regina resolveu disseminar com a criação do projeto Favela Orgânica. Ela lembra que, ao chegar ao Rio de Janeiro (onde vive há 12 anos, dos quais 11 trabalhando como doméstica), deparou-se com um grande volume de desperdício, algo que não estava acostumada a ver. Em casa mesmo, reuniu-se com seis mães de família e com apenas R$ 140,00, deu início ao que hoje mais ama fazer: cozinhar, aproveitar e ensinar.

182311-548653668497780-410053964-n-1.jpg
Oficina de utilização de cascas e talos de alimentos em receitas

A Favela Orgânica começou como um pequeno projeto e já chegou ao exterior. Regina relata que, no início, muita gente dizia "eca" para suas receitas, mas na hora de degustar todo preconceito ia por "água abaixo".

Para manter as oficinas, a cozinheira conta com a ajuda de lanchonetes, restaurantes e feiras da zona sul do Rio, que doam os principais ingredientes, ou seja, cascas, talos e alimentos amassados.

29540-564514876911659-492966178-n.jpg
Brigadeiro feito com casca de banana

"Eu acho que Brasil seria um país de primeiro mundo se as pessoas comprassem mesmo a ideia da Favela Orgânica, tendo em vista que dois dos nossos maiores desafios são a fome e o lixo", projeta Regina Tchelly.

 

Faça sua doação!

Estamos precisando muito da sua ajuda e qualquer valor doado é de grande importância.

Você pode impedir que este trabalho importante de conscientização acabe, fazendo sua doação. Todos os recursos obtidos serão utilizados para a manutenção de nossas atividades. Vale lembrar que todo conteúdo é 100% gratuito e acessível a qualquer cidadão.

Clique aqui e saiba como fazer a sua doação!

Comentários

Deixe sua opinião sobre este assunto.

Dicas
Veja Mais Dicas
Guias
Veja Mais Guias
 
Shopping EcoD
Abrasivo Digital