Editorias / Economia e Política
HOME | Posts | 2013 | Março | Bendito fruto entre os homens na política

Economia e Política

08 de Março de 2013

Leia Também
 

Bendito fruto entre os homens na política

manuela-png.jpg 

Deputada federal mais votada da história do Rio Grande do Sul, Manuela D'Ávila é, atualmente, a única mulher líder de partido na Câmara
Foto: Divulgação

Ela já foi apontada pela revista Época como uma das 40 personalidades com menos de 40 anos mais influentes do Brasil. O trabalho dela também fez com que o jornal inglês The Independent a considerasse uma das principais líderes mundiais do futuro. Aos 31 anos a deputada federal Manuela D'Ávila (PCdoB-RS), reeleita em 2010 como a candidata mais votada do Brasil e da história do Rio Grande do Sul (482.590 votos), acumula realizações em sua trajetória que acabam tornando difíceis as projeções de onde ainda poderá chegar.

Ao lutar em diversas frentes, como direitos dos estudantes, direitos humanos e minorias políticas, liberdade na internet e acesso à cultura, a jovem deputada conquistou diversos prêmios nos últimos anos. Em 2009, faturou o Parlamentar em Foco, indicada pelos jornalistas e eleita por internautas como "quem melhor representa a população na Câmara".

O mesmo reconhecimento ela teve em 2011, quando foi considerada pelos profissionais de imprensa melhor parlamentar e parlamentar de futuro. No mesmo ano foi indicada pelo Diap (Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar) como uma das 100 Cabeças do Congresso.

 manuela-dilma.jpg
Com a presidente da República, Dilma Rousseff: "Sim, a mulher pode!"
Foto: Roberto Stuckert Filho

Jornalista formada pela PUC-RS, Manuela D'Ávila iniciou sua trajetória no movimento estudantil em 1999, quando se filiou à União da Juventude Socialista (UJS). Dois anos depois, ingressou na política partidária pelo Partido Comunista do Brasil (PCdoB). Ela também estudou Ciências Sociais na Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Atualmente, a parlamentar gaúcha é a única mulher líder de partido na Câmara Federal. Uma das homenageadas especiais do EcoD no Dia Internacional da Mulher, ela abriu espaço na sua concorrida agenda de compromissos para nos conceder esta entrevista.

EcoD: Como tem sido a experiência de ser a única mulher líder de partido na Câmara Federal?

Manuela D’Ávila: Sempre brincamos que o nosso partido tem cotas de representatividade masculina (risos), porque apesar de o Congresso ter apenas 8% de representação feminina, a nossa bancada tem 50% de mulheres. Nós não defendemos a participação das mulheres na política apenas no discurso, buscamos tal protagonismo na prática. Acho que priorizar esse protagonismo é dar a elas o espaço para decisões no parlamento, onde as mulheres não são empoderadas. Eu sou a única mulher líder partidária na Câmara hoje.

manuela1-t.jpg
Cumprimentada pelos colegas ao assumir a liderança nacional do PCdoB no Congresso, onde apenas 8% dos parlamentares são mulheres
Foto: Divulgação

 

A importância do aumento da participação das mulheres na política, portanto, é uma das tuas principais bandeiras de luta?

Eu sempre gosto de mostrar as imagens, porque elas e os números acabam valendo mais que os nossos discursos, pois a sociedade vive muitas vezes uma realidade distante da política. Em relação a economia, muitos lares já contam com mulheres chefes de família e empresas já são chefiadas por mulheres. Quando queremos trazer essa realidade para o parlamento pode dar a impressão de que estamos nos vitimizando, falando de algo que não existe. Temos que falar nisso porque somos apenas 8% no parlamento. Agora eu carrego comigo uma foto do colégio de líderes, das sessões plenárias, que mostram que praticamente não existimos fisicamente no plenário.

O sistema eleitoral brasileiro, hoje, é um círculo vicioso que contribui para perpetuar os homens no poder"
Manuela D'Ávila, deputada federal

A desproporção entre o número de parlamentares homens e mulheres te incomoda bastante.

Sem dúvida. Quer dizer: 8 em cada 100 [mulheres] não têm visibilidade... As mulheres ainda não existem na política brasileira e isso é uma distorção da realidade. A política é uma das ferramentas da sociedade que nós ainda não transformamos.

E quais são as que foram transformadas?

Em quase três décadas de redemocratização, melhoramos e modernizamos a economia, temos transformado a educação, quando praticamente incluímos todas as crianças no processo educacional, ensino superior (com Pró-Uni, Reuni), vamos transformar o acesso à cultura com o Vale Cultura, modificação da Lei Rouanet e reforma da Lei dos Direitos Autorais (que vamos fazer neste ano), mas ao mesmo tempo nem começamos a reforma política... Quando olhamos para o restante do mundo, vemos que não é isso. O mundo não é 8% de mulheres, a nossa casa, o supermercado, a rua, o ônibus não são 8% de mulheres. Só o parlamento brasileiro.

Não faltam mulheres candidatas também nas próprias legendas?

Culpar as mulheres é o lado mais fácil. É complicado conseguir dinheiro ou ter que aguentar estruturas machistas. Fazer política no Brasil é difícil para qualquer um, quando ouvimos todos os dias que "é lugar de ladrão", "todos são iguais", "quer tirar algum proveito"... Qual é o jovem, qual é a mulher que vai querer entrar na política quando os jornais passam o dia inteiro dizendo que ela não serve para nada e que não passa de um lugar para fazer bandido?

 deputada-t.jpg
Em campanha, recebendo o carinho da população
Foto: Nabor Goulart / Agência Freelancer

E o que a senhora propõe?

Temos que fazer uma reforma para que todos queiram participar da política a fim de transformá-la: homens e mulheres. Tem que haver formas de financiamento alternativo, porque geralmente os mesmos financiam as campanhas dos mesmos. Quem se elege? Quem já foi eleito. E quem já foi eleito? Os que tiveram mandatos no Executivo, em grande parte, outros têm raízes no poder econômico. E quem são eles? Os homens. Não é uma casualidade que as mulheres detentoras de mandato tenham relação, muitas vezes, com homens que já têm mandato. A questão financeira nesse sistema é determinante. É um círculo vicioso que perpetua os homens no poder.

Dos 513 deputados federais brasileiros, apenas 46 são mulheres. Para o Senado, foram eleitas oito candidatas em 2010, sendo que há 81 parlamentares na Casa.

A senhora acredita em machismo no que diz respeito aos eleitores? 

Em última instância não, porque daí não teríamos tido uma presidente da República. Seria uma espécie de contradição, até porque eu mesmo cheguei aqui (Câmara).

Mas há quem afirme que sem a influência do Lula as chances de Dilma vencer seriam reduzidas.

Mas tivemos duas mulheres como as mais votadas nas últimas eleições: Dilma Rousseff e Marina Silva. Agora, que a nossa sociedade ainda é muito machista, eu concordo. Vai levar muito tempo para mudar. Não é da noite para o dia, porque é uma questão cultural. Todos nós temos algum viés preconceituoso em algum sentido. Leva tempo. 

 manuela-campanha.jpg
Em campanha na região central de Porto Alegre, onde nos últimos anos pavimenta o caminho com a meta de, futuramente, governar a cidade onde nasceu
Foto: Divulgação

 

O início da sua trajetória foi no movimento estudantil. A senhora chegou a sofrer algum preconceito nesse período, por conta de sua capacidade de liderança e senso de politização, mas, principalmente, por ser mulher?

No movimento estudantil nunca. Porque na universidade tem 50% de mulheres. No parlamento é que não tem. 

E no parlamento, já houve alguma postura que tenha lhe constrangido?

Lá é sempre um tratamento adjetivado.

manu-t.jpgAdjetivado em quê sentido, deputada?

Desde que fui eleita deputada federal sempre fui tratada como a "musa do Congresso Nacional". Preconceitos de gênero. Isso não me incomoda muito porque qualquer mulher, em qualquer lugar, passa por isso. Se eu fosse garçonete eu poderia ser assediada pelo meu patrão. Não penso que eu seja vítima disso mais do que outra mulher. O meu incômodo é igual ao das outras mulheres em boa parte do mundo em razão desse tipo de tratamento.

Nos últimos anos, a ONU criou uma agência específica para lutar pelo empoderamento feminino, a ONU Mulheres. Aqui no Brasil foi eleita a primeira presidente da história do país. Essas conquistas refletem, de certa forma, os avanços da luta das mulheres?

Sim. São simbolismos. Existe uma geração (a minha), que ocupa espaços muito naturalizados e que às vezes não consegue perceber a mudança cultural que está acontecendo, porque ela não é perceptível aos olhos. Aquela frase que a presidenta Dilma costuma dizer e que muitos não conseguem compreender, eu penso que é a que tem o maior valor: "Sim, a mulher pode!".

A força que ela teve de fazer para os partidos indicarem ministras mulheres foi a prova do quanto que a nossa sociedade é atrasada. Hoje essas mulheres estão lá porque a presidenta constrangeu alguns partidos. São avanços concretos - elas são ministras de Estado. E os jornais continuam fazendo comentários jocosos sobre ministras, sobre a roupa que elas vestem, o corte de cabelo, o namorado... Mas uma hora a mudança será feita.

Participante ativa da UJS e da União Nacional dos Estudantes (UNE), e militante desde à adolescência, Manuela foi eleita vereadora em Porto Alegre, em 2004, tornando-se a edil mais jovem da história do município, aos 23 anos. Em 2006, candidatou-se à Câmara dos Deputados e, com 271.939 votos, tornou-se a deputada mais votada do Rio Grande do Sul.
Nas eleições municipais de 2008, Manuela disputou sua primeira eleição majoritária: foi candidata à prefeitura de Porto Alegre. Manuela teve 15,35% dos votos válidos e ficou em terceiro lugar. Em 2010, foi reeleita deputada federal com novo recorde de votos. Dois anos mais tarde, em 2012, concorreu novamente a prefeitura da capital gaúcha, quando obteve 17,76% do eleitorado - segunda colocada.
Na Câmara, Manuela foi relatora da Lei dos Estágios, do Estatuto da Juventude e do Vale-Cultura, foi presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias, vice-presidente da Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público. Integra a Frente Parlamentar em Defesa da Liberdade na Internet e a Frente Parlamentar pela Cidadania LGBT. Eleita por unanimidade, é vice-presidente da Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional da Câmara dos Deputados. Desde julho de 2011 é vice-líder do governo no Congresso.

Especial Jovens Mulheres
clique para ler todas as histórias

 

Faça sua doação!

Estamos precisando muito da sua ajuda e qualquer valor doado é de grande importância.

Você pode impedir que este trabalho importante de conscientização acabe, fazendo sua doação. Todos os recursos obtidos serão utilizados para a manutenção de nossas atividades. Vale lembrar que todo conteúdo é 100% gratuito e acessível a qualquer cidadão.

Clique aqui e saiba como fazer a sua doação!

Comentários

Deixe sua opinião sobre este assunto.

Dicas
Veja Mais Dicas
Guias
Veja Mais Guias
 
Shopping EcoD
Abrasivo Digital