Editorias / Biodiversidade
HOME | Posts | 2013 | Março | O novo papa será pop? A Igreja Católica e os desafios ambientais

Biodiversidade

11 de Março de 2013

Leia Também
 

O novo papa será pop? A Igreja Católica e os desafios ambientais

papa1-1.jpg
Foto: Ammar Ad Rabbo
 

Não são apenas os cerca de 1,1 bilhão de fiéis ao redor do mundo que estarão de olho na chaminé da Capela Sistina nos próximos dias. A fumaça que anunciará o novo papa, além de dias mais ensolarados para a instituição, conterá ainda a esperança de que o próximo pontífice continue o legado ambiental construído nos últimos papados.

Desde o papado de João Paulo II, o polonês Karol Wotija, a Igreja se posiciona contra a degradação ambiental. O papa João Paulo teve um papel ativo no reforço sobre os perigos de a comunidade internacional não agir imediatamente para evitar um desastre ambiental, inclusive se pronunciando publicamente sobre o tema na Rio 92 e na Rio +10.

Bento XVI defendeu ferrenhamente que, sendo o meio ambiente um presente de Deus, a sua conservação para futuras gerações é obrigação moral.

Mas foi o agora papa emérito Bento XVI que implantou medidas importantes no Vaticano em relação à sustentabilidade ambiental durante seu papado.

Além de se locomover com o primeiro “Papamóvel verde” – um Mercedes M-Class Híbrido, depois seguido por dois veículos elétricos feitos pela Renault especialmente para ele –, o alemão Joseph Ratzinger implantou energia solar em todo o Vaticano, tornando-o neutro em carbono “o Estado mais verde do mundo”, além de ter promovido uma conferência científica para discutir o aquecimento global e as mudanças climáticas.

Mas não foram essas iniciativas isoladas que lhe renderam o apelido de “Papa Verde”. Bento XVI defendeu ferrenhamente que, sendo o meio ambiente um presente de Deus, a sua conservação para futuras gerações é obrigação moral. Suas pregações nesse sentido foram intensas a ponto de um dos seus cardeais declarar o dano ambiental como um dos pecados modernos.

papa2.jpg
Foto: Catholic Church

De tanto pregar sobre o tema, Bento XVI chegou a publicar em 2012 uma coletânea de seus textos no livro O meio ambiente. O papa emérito ainda conclamou a comunidade internacional a agir para conter as mudanças do clima por diversas vezes.

“A proteção do ambiente, a salvaguarda dos recursos e do clima obrigam todos os líderes a agirem juntos, no respeito pelo direito e promovendo a solidariedade com as regiões mais necessitadas do mundo”, pregou ele na 15ª Conferência da ONU sobre as Mudanças Climáticas (COP-15) em 2009, na Dinamarca.

Nesse mesmo ano, na encíclica Caritas in Veritate, o ex- pontífice passou a defender uma concepção de ambientalismo mais holística, que não só vai além da degradação do meio ambiente físico em si, bem como “contamina” o meio humano moral e culturalmente. “Entre os rejeitos tóxicos que ameaçam o ambiente humano do Ocidente, aponta o papa persistentemente, estão as práticas do aborto e da eutanásia”, explica George Weigel do Ethics and Public Policy Center.

Faça sua doação!

Estamos precisando muito da sua ajuda e qualquer valor doado é de grande importância.

Você pode impedir que este trabalho importante de conscientização acabe, fazendo sua doação. Todos os recursos obtidos serão utilizados para a manutenção de nossas atividades. Vale lembrar que todo conteúdo é 100% gratuito e acessível a qualquer cidadão.

Clique aqui e saiba como fazer a sua doação!

Comentários

Deixe sua opinião sobre este assunto.

Dicas
Veja Mais Dicas
Guias
Veja Mais Guias
 
Shopping EcoD
Abrasivo Digital