Editorias / Universidades
HOME | Posts | 2016 | Posts | Março | Universitários brasileiros serão embaixadores em conferência nos Estados Unidos

Universidades

21 de Março de 2016

 

Universitários brasileiros serão embaixadores em conferência nos Estados Unidos

brazilconference-ecod.jpg
Primeira edição do evento foi realizada em 2015
Foto: Divulgação

Quatro universitários brasileiros participarão, como embaixadores do Brasil, da segunda edição da Brazil Conference, organizada por estudantes brasileiros de graduação e pós-graduação da Universidade de Harvard e do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT, do nome em inglês), nos Estados Unidos.

A conferência será realizada nos dias 22 e 23 de abril, em Harvard, na cidade de Boston, e terá como tema central a busca de soluções para problemas brasileiros. Os nomes dos estudantes selecionados foram divulgados semana passada. Eles participaram de concurso encerrado em 25 de fevereiro, aberto a universitários de instituições públicas e privadas brasileiras.

O projeto dos embaixadores da Brazil Conference, como os estudantes inscritos são chamados, tem entre suas idealizadoras Larissa Maranhão, de 21 anos, aluna do terceiro ano de economia em Harvard, natural de Maceió (AL). “A ideia surgiu durante reunião da direção da conferência sobre como aumentar o impacto que o evento tem, não só para quem está nos Estados Unidos, mas também levar isso para dentro de casa, disseminar no Brasil”, informou Larissa.

O objetivo da Brazil Conference é discutir de forma produtiva e prática os problemas e oportunidades do Brasil

Inscrição
A decisão foi escolher alunos de graduação “engajados”, que vão para os Estados Unidos com tudo pago pela conferência e participam dos debates, “com a condição de que vão levar isso para dentro das universidades deles depois e organizar algum evento para continuar a discussão”, acrescentou Larissa.

Para se inscrever, os candidatos deviam responder por que queriam se tornar embaixadores da Brazil Conference, contar um pouco de sua história e dizer de que forma pretendem levar o conhecimento adquirido de volta para sua universidade. Em um vídeo de 30 segundos, deveriam fazer uma pergunta relacionada a um tema ligado ao momento atual do Brasil.

Larissa acrescentou que a equipe ficou “impressionada” com a qualidade do material enviado, das respostas e com a “empolgação das pessoas”. Ela disse acreditar que os escolhidos poderão ser peças-chave na discussão sobre o Brasil, “até porque eles têm o termômetro mais sensível do que a gente sobre o que está acontecendo no Brasil".

Entre os palestrantes confirmados na Brazil Conference estão o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, a ministra Carmem Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF), o professor da Escola de Direito da Fundação Getulio Vargas (FGV) Joaquim Falcão e os empresários Jorge Paulo Lemann e Abílio Diniz.

O objetivo da Brazil Conference é discutir de forma produtiva e prática os problemas e oportunidades do Brasil e como chegar perto de respostas para indagações quanto ao desenvolvimento brasileiro no momento.

Os participantes vão debater temas relacionados à população, entre eles saúde e educação, o Brasil e o mundo (envolvendo relações internacionais e comércio externo), política, economia e instituições, empreendedorismo, inovação e tecnologia.

Professores de Harvard, especialistas em Brasil, América Latina, o grupo dos Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), além de empresários e políticos levarão ao evento uma perspectiva diferente e acrescentarão questões novas à discussão. “Uma coisa bem variada, de modo a conseguirmos um debate sob várias perspectivas diferentes”, comentou Larissa Maranhão.

Escolhidos
Laís Higashi tem 24 anos, é natural de Londrina (PR) e está no último ano de administração da Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo (USP). “Para mim, é uma honra ser uma embaixadora da Brazil Conference. Na verdade, como tinha muita gente inscrita não esperava ser selecionada. Fiquei muito contente.” Para ela, participar da conferência promovida por estudantes brasileiros de Harvard e do MIT é uma oportunidade muito grande de ouvir pessoas importantes e influentes, trazer isso de volta para o Brasil e trabalhar com isso, “que é o que eu quero fazer”.

Laís assume este ano a presidência da organização não governamental (ONG) Um Litro de Luz, onde foi voluntária em 2015. A ONG é voltada para projetos de iluminação solar em comunidades de baixa renda. A ideia de Laís Higashi é expandir o projeto para todo o Brasil. Ela quer aplicar na ONG o que aprender na Brazil Conference e disseminar para outras associações de jovens que trabalham na área de negócios sociais sustentáveis. “Esse é um meio pelo qual posso replicar o que for falado lá”.

Aluno do curso de engenharia civil da Universidade Federal do Ceará (UFCE), João Castro Júnior, de 23 anos, tem duas áreas de interesse para depois da formatura: transportes e recursos hídricos. Ele viaja no dia 20 de abril para os Estados Unidos, para participar, como embaixador, da Brazil Conference.

Entre os palestrantes que despertam a atenção de João está Jim Collins, que ensina liderança e investiga o que motiva empresas a se tornarem grandes

Pare ele, antes de aplicar no Brasil os conhecimentos que receberá durante o evento em Boston é importante alinhar o que pretende fazer com os demais selecionados. “A priori, acredito que vamos desenvolver um plano de ação para aplicar no Brasil o que ouvirmos na conferência. Acredito que o trabalho alinhado em conjunto seja mais útil e gere mais impacto do que quatro trabalhos isolados no Brasil.”

Entre os palestrantes que despertam a atenção de João está Jim Collins, que ensina liderança e investiga o que motiva empresas a se tornarem grandes. “Ele é o cara da liderança”. Outro destaque é o empresário brasileiro Jorge Paulo Lemann, símbolo de gestão eficiente, que formou a maior empresa cervejeira do mundo, a Anheuser-Busch InBev.

“Para mim, é um ícone de empreendedorismo no Brasil e no mundo”. Como João participa de uma empresa júnior na faculdade, ele não tem dúvidas de que vai aproveitar muito a experiência em sua vida acadêmica e na vida pessoal, como empreendedor.

Oficinas
Eduarda Zoghbi, 22 anos, estudante de ciência política na Universidade de Brasília (UnB), se forma até o fim deste ano. Saber que tinha sido selecionada como embaixadora da conferência teve sabor especial para ela. “Estou comemorando até hoje. Fiquei muito feliz e emocionada”. Como João Castro Júnior, Eduarda também participou de uma empresa júnior e é ali que quer aplicar o que aprender em Harvard. “Acho que esse tipo de evento tem bastante a contribuir para eles”.

Quando retornar ao Brasil, ela deseja organizar oficinas para debater temas de palestras na conferência. “Como faço ciência política, vários dos temas (da conferência) a gente já estuda. Seria legal fazer umas dinâmicas, colocar em prática”. Eduardo viaja dias antes da conferência, porque quer aproveitar para conhecer as universidades promotoras do evento e também a cidade de Boston.

O caçula dos embaixadores da Brazil Conference é Alexandre Fernandes de Lima, de 19 anos, aluno da primeira turma de engenharia mecatrônica do Instituto de Ensino e Pesquisa (Insper), em São Paulo. Ele está no segundo ano, se forma em 2019 e recebeu uma bolsa integral. “Senão, não daria para estudar. Sou bolsista desde o ensino fundamental”. A engenharia mecatrônica é um curso novo no Brasil e junta mecânica, eletrônica e computação. “É um pouco do que você aplica em controle industrial, na parte de juntar programação com mecânica”.

Alexandre já conhece a Universidade de Harvard, de onde voltou no dia 3 de fevereiro, depois de ser selecionado para participar de um programa de liderança da Embaixada dos Estados Unidos com outros jovens do Brasil, Argentina, Uruguai e Chile que causam impacto em suas comunidades. “Voltei cheio de ideias para aplicar no Brasil”.

Durante o programa, Alexandre ganhou US$ 400 para investir no desenvolvimento de um projeto em São Paulo sobre jovens negros que estão nas faculdades. Na Brazil Conference, ele pretende aprofundar mais o assunto na questão da educação e da inclusão social no Brasil. “Vou trazer tudo isso para o projeto”.

Negros
Nos Estados Unidos, ele teve contato com movimentos negros e constatou que no Brasil, apesar de a grande maioria da população ser negra, há poucos negros na faculdade e na política.

O projeto que Alexandre desenvolve conta com ajuda de universitários do Rio de Janeiro e do Rio Grande do Sul, que estudam medicina, ciências sociais e letras. O piloto do projeto deve estar estruturado até agosto para, a partir daí, “a gente continuar tocando”. Alexandre vai organizar um workshop para avaliar o papel dos negros que estão na faculdade, a diferença entre os negros que se formavam antes e os que estão se formando agora com as políticas de inclusão e como isso pode melhorar.

“É criar esse senso de realidade que está ocorrendo no Brasil e, a partir daí, trazer outros jovens inspiradores para darmos continuidade ao projeto”. A viagem de Alexandre para Boston está programada para o dia 20 de abril.

(Por Alana Gandra, da Agência Brasil)

Faça sua doação!

Estamos precisando muito da sua ajuda e qualquer valor doado é de grande importância.

Você pode impedir que este trabalho importante de conscientização acabe, fazendo sua doação. Todos os recursos obtidos serão utilizados para a manutenção de nossas atividades. Vale lembrar que todo conteúdo é 100% gratuito e acessível a qualquer cidadão.

Clique aqui e saiba como fazer a sua doação!

Comentários

Deixe sua opinião sobre este assunto.

Dicas
Veja Mais Dicas
Guias Veja Mais Guias
 
Shopping EcoD
Abrasivo Digital