Editorias / Educação
HOME | Posts | 2017 | Posts | Em enquete da Unesco, internautas de todo o mundo dizem o que desejam para a educação em 2017

Educação

06 de Janeiro de 2017

 

Em enquete da Unesco, internautas de todo o mundo dizem o que desejam para a educação em 2017

educacao-ecod.jpg

Estudantes em escola no Marrocos
Foto: Banco Mundial / Dana Smillie

Em dezembro, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) convidou usuários do Facebook a responderem à pergunta: “o que você deseja para a educação do seu país em 2017?”. Na rede social, a enquete da agência da ONU recebeu quase 170 comentários de internautas de diferentes partes do mundo.

Entre os temas mais frequentes nas respostas, estão a necessidade de ampliar o acesso ao ensino, transformar o currículo para incluir assuntos como as mudanças climáticas, garantir um número maior de professores — e também a qualificação desses docentes — e aumentar a taxa de alfabetização entre as mulheres. A Unesco fez uma seleção das opiniões publicadas pelos participantes. Confira abaixo:

Kellie-Anne Burke, da First Nation, uma comunidade indígena canadense: “Um marco de ação global que reconheça toda a educação recebida em todos os países, sem considerar de onde venha; acesso ao ensino por todo o povo da First Nation, especificamente em relação ao meio ambiente e, finalmente, uma vaga na escola para cada criança refugiada.”

Max Liushan, da Ucrânia: “Meu desejo para a educação seria: que todos os graduados na escola pudessem saber ler! E um pequeno desejo para o meu país, a Ucrânia: a integração dos métodos da educação não formal no Sistema Educacional do Estado.”

Uaita Masina, de Samoa: “Gostaria de ter uma biblioteca em cada escola de Samoa.”

Nancy Marangu, do Quênia: “Eu imagino um currículo educacional que, um, ensine às crianças do Quênia sobre os efeitos e a mitigação da mudança climática, e, dois, que incentive talentos em empreendedorismo a serem geradores de renda.”

Mike Lutz, dos Estados Unidos: “Desenvolvimento da alfabetização midiática para estudantes dos Estados Unidos. Isto é fundamental para um mundo inundado com notícias reais e falsas.”

Elsa Silva, de Portugal: “Seria um avanço se a compaixão e o respeito por todos fossem introduzidos nos sistemas formais de educação, em âmbitos organizacional e disciplinar.”

Abhishek Kumar Singh, da Índia: “Se quisermos elevar a educação ao seu ápice, precisamos digitalizar nosso sistema educacional.”

Shereen Akther, de Bangladesh: “Ficaríamos muito felizes se o governo tomasse a iniciativa concreta de estabelecer um centro de aprendizagem comunitária em cada cidade para promover a aprendizagem ao longo da vida para todos em 2017.”

Ange Gabriel Habimana, de Ruanda: “Meu desejo para Ruanda é que se forneça uma educação com conhecimento e habilidades para todos, como (já) acontece hoje, mas que inclua a criação de oportunidades para a aplicação dessas habilidades depois do período escolar.”

Maria Philippi, da Grécia: “Educação para todos: para os nativos, os refugiados e os imigrantes de forma a construir uma sociedade de cidadãos globais!”

Muchembele Vernon, da Austrália: “Eu desejo que 2017 seja um ano em que todas as crianças marginalizadas ganhem acesso à educação de qualidade.”

Zarina Qambarova, do Tajiquistão: “Desejo que todas as meninas tenham educação na maioria das áreas rurais.”

Shazia Majeed, do Paquistão: “Educação para todos sem nenhuma discriminação.”

Eugenie Pierre, do Haiti: “Eu desejo que a educação para as crianças, do primeiro ao sexto ano do Haiti, seja gratuita, uma vez que eu moro em um país pobre onde a maioria de seus pais estão sem emprego.”

Maida Khawaja, do Paquistão: “Que a taxa de alfabetização das mulheres seja menor que a dos homens, especialmente nas áreas negligenciadas como Dadu, Tharparkar, Kohistan e Rajanpur. E que ninguém seja deixado para trás sem poder se desenvolver e progredir, que todas as meninas possam estar na escola antes de 2030. Desejo um Paquistão saudável e próspero para que todos possam atingir 100% de alfabetização antes de 2030.”

Qian Tang, diretor-geral assistente de Educação da Unesco: “Eu gostaria de ver o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 4 se tornar uma estratégia nacional concreta e que um plano nacional de educação seja desenvolvido em cada um dos Estados-membros da Unesco; e espero que a Unesco continue a exercer seu papel de ajudá-los em âmbito nacional, assim como nos âmbitos mundial e regional, para unir todos os parceiros e envolvidos.”

(Via ONU Brasil)

Faça sua doação!

Estamos precisando muito da sua ajuda e qualquer valor doado é de grande importância.

Você pode impedir que este trabalho importante de conscientização acabe, fazendo sua doação. Todos os recursos obtidos serão utilizados para a manutenção de nossas atividades. Vale lembrar que todo conteúdo é 100% gratuito e acessível a qualquer cidadão.

Clique aqui e saiba como fazer a sua doação!

Comentários

Deixe sua opinião sobre este assunto.

Dicas
Veja Mais Dicas
Guias
Veja Mais Guias
 
Shopping EcoD
Abrasivo Digital