Editorias / Água
HOME | Posts | 2014 | Aumenta número de municípios paulistas com bônus para quem economizar água

Água

01 de Abril de 2014

Leia Também
 

Aumenta número de municípios paulistas com bônus para quem economizar água


Até o momento, 37% dos consumidores conseguiram obter o bônus
Foto: rafaelpagliuca

O governo do estado de São Paulo anunciou na segunda-feira, 31 de março, a ampliação para a capital e 30 municípios da região metropolitana de São Paulo do incentivo a economia de água. Será concedido um bônus de 30% no valor da conta de água para aqueles que reduzirem o consumo em 20%. A medida entra em vigor nesta terça-feira (1º).

Em fevereiro, o governo havia estabelecido o bônus apenas para os consumidores atendidos pelo Sistema Cantareira. Agora, cerca de 17 milhões de pessoas poderão receber o bônus. A meta da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) é chegar a 6 metros cúblicos (m³) por segundo de economia, o que equivale a mais de 518 milhões de litros de água por dia. Apesar do aumento do incentivo, o governo admite a possibilidade de racionamento de água.

Até o momento, 37% dos consumidores conseguiram obter o bônus; 39% economizaram, mas não chegaram à meta de 20%, e não receberam o desconto. No total, segundo o governo, 76% dos consumidores conseguiram reduzir o gasto de água. No entanto, 24% dos consumidores aumentaram o uso de água.

Em uma série de 84 anos, não há registro de fenômeno semelhante a esse, relativo aos meses de verão.

O governo ressalta que Guarulhos, Mogi das Cruzes, Mauá, Santo André e São Caetano não são operados pela Sabesp e que caberá à prefeitura e aos serviços autônomos de cada município a decisão de trabalhar com bonificação ou algum outro estímulo para o uso racional da água.

Os municípios que passarão a ter o bônus são: São Paulo; Arujá; Barueri; Biritiba Mirim; Caieiras; Cajamar; Carapicuíba; Cotia; Diadema; Embu; Embu-Guaçu; Ferraz de Vasconcelos; Francisco Morato; Franco da Rocha; Itapecerica da Serra; Itapevi; Itaquaquecetuba; Jandira; Mairiporã; Mogi das Cruzes; Osasco; Pirapora do Bom Jesus; Poá; Ribeirão Pires; Rio Grande da Serra; Salesópolis; Santana de Parnaíba; São Bernardo do Campo; Suzano; Taboão da Serra e Vargem Grande Paulista.

Na segunda-feira (31), o nível de armazenamento de água do Sistema Cantareira voltou a bater recorde negativo: 13,4%. O volume de chuva que atingiu o manancial no mês de março, no entanto, superou a média histórica. Foram 193,3 milímetros (mm) acumulados no mês, ante 184,1 mm de média histórica.

Apesar das chuvas, a vazão média afluente do sistema [volume de água que o Cantareira recebe dos rios] em março correspondeu a aproximadamente 13,9 metros cúbicos por segundo (m³/s), o que equivale a apenas 23,1% da média histórica do mês, ou 59,2% da menor vazão anteriormente registrada, de 23,5 m³/s, em março de 2012.

Segundo nota do grupo técnico de assessoramento para a gestão do Sistema Cantareira, em uma série de 84 anos, não há registro de fenômeno semelhante a esse, relativo aos meses de verão. Fazem parte do grupo técnico representantes da Agência Nacional de Águas (ANA), da Sabesp e do Comitê das Bacias Hidrográficas dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí.

(Via Agência Brasil)

Comentários

Deixe sua opinião sobre este assunto.

 
Dicas
Veja Mais Dicas
Guias
Veja Mais Guias
 
Shopping EcoD